Notícias e Destaques Cisne Negro, Salamanca, e o FDA: Estréia de um teste altamente sensível para a Detecção da Doença Residual Mínima (DRM) em Mieloma.

 

Nos dias 21 e 22 de março, ocorreu um evento importante para a evolução da Iniciativa de Pesquisa Cisne Negro da IMF em Salamanca, Espanha. O Workshop EuroFlow, foi organizado por Lisa Paik (Vice -Presidente Sênior de Educação Clínica e iniciativas de pesquisa na IMF) e a equipe de citometria de fluxo baseada em Salamanca - focada em um avanço na detecção padrão da doença residual mínima (DRM) em mieloma.
Esta nova técnica é a citometria de fluxo automatizada e altamente sensível para a detecção padrão da doença residual mínima (DRM) no mieloma múltiplo. Motivados para aprender sobre o último avanço deste método, cerca de 70 participantes de 13 países diferentes foram ao workshop. Lá, eles aprenderam na prática os detalhes do novo painel de anticorpos na detecção do mieloma e o software para computador que fornece resultados de forma automatizada: identificar cada célula única (mieloma ou não) na medula óssea e/ou amostras de sangue.
“Estou muito feliz em informar que o workshop foi um sucesso!”, diz Dr. Brian Durie. Os participantes se entusiasmaram em introduzir os novos métodos em seus laboratórios locais. O Professor Alberto Orfao (Chefe da Equipe de Fluxo, em Salamanca) e o Professor Jacques Van Dongen (seu colega da equipe de EuroFlow em Erasmus, Amesterdã), fizeram um trabalho fantástico na construção e implementação de um programa intenso e detalhado, que atendeu as necessidades educacionais dos participantes.
A partir daí, o Dr. Bruno Paiva (um investigador da Black Swan de Pamplona, na Espanha e especialista em analisar os resultados dos pacientes) e o Dr. Brian Durie, viajaram diretamente para o FDA, em Silver Spring, Maryland, para participar da Mesa Redonda do FDA e NCI (National Cancer Institute): Simpósio de Citometria de Fluxo, com Base na Detecção de Doença Residual Mínima (DRM) em Mieloma Múltiplo. O resultado desta mesa redonda também foi extremamente útil e importante para a Iniciativa de Pesquisa Cisne Negro. Existe um consenso em evolução de que a avaliação da doença residual mínima (DRM) é necessária e recomendada para avaliação da resposta em estudos clínicos, e que a nova metodologia de citometria de fluxo é a atualmente a abordagem mais promissora.
Assim, os testes da doença residual mínima (DRM) estão se tornando cada vez mais importantes e o fluxo é o método de escolha. “Temos grandes expectativas de que os novos estudos incluindo a avaliação da doença residual mínima (DRM), levarão a melhores resultados para todos os pacientes com mieloma”, diz Dr. Brian Durie.
 
Para entender um pouco mais sobre a Doença Residual Mínima (DRM), clique aqui.
 
 
Se você quiser saber mais sobre a doença residual mínima (DRM), sobre a Iniciativa de Pesquisa Cisne Negro ou sobre qualquer assunto relacionado ao Mieloma Múltiplo, entre em contato conosco: 0800 771 0355 (ligação gratuita) ou pelo e-mail imf@myeloma.org.br .
 
02/04/2014