Notícias e Destaques Pacientes, guardem este nome: CAR T-cell

Durante o Congresso da American Society of Hematology, que se encerrou terça (12) em Atlanta, um dos assuntos mais comentados entre os médicos foi o avanço das pesquisas em torno do CAR T-cell. Mas afinal, o que é isso?

A sigla CAR significa Chimeric Antigen Receptor, receptor de antígenos quiméricos, enquanto o T-cell se refere às células T. O princípio básico dessa terapia revolucionária é o uso das técnicas imunológicas para recuperar pacientes graves.

O Dr. Roberto Magalhães, hematologista da Universidade Federal do Rio de Janeiro explica: “Após a coleta de células T do sangue do paciente, o material vai para o laboratório e passa por uma complexa manipulação que envolve engenharia genética. As células são modificadas e reinfundidas no paciente. A partir daí acontece um fenômeno imunológico em que a doença será combatida”. Magalhães completa que “esse é um dos grandes campos e avenidas que se abre na onco-hematologia”.

É uma nova forma de tratamento que está se abrindo para pacientes de várias doenças, como mieloma múltiplo. Os estudos ainda estão em fase preliminar, “mas acreditamos que essa será uma nova estratégia terapêutica para os pacientes no futuro”, concluiu Magalhaes. 

Os avanços no tratamento da doença foram destaque não somente com o CAR-T Cell, mas também na ampliação do cenário de novos medicamentos e estudos apresentando resultados e perspectivas positivas. É o que comemora o Dr. Volmar Belisário Filho, hematologista do Centro Capixaba de Oncologia, em Vitória (ES). “Muitas dessas novas drogas têm entrado no Brasil recentemente e, dessa forma, temos a possibilidade de ofertá-las para alguns pacientes, principalmente os que se enquadram dentro de algumas estratificações da doença. Temos a possibilidade de usar novos inibidores, novas drogas que vem somar no cenário na estratégia de tratamento dos pacientes com mieloma”, diz.