Notícias e Destaques FDA aprova aplicação semanal de Kyprolis® (carfilzomibe)

A Amgen acaba de anunciar que a agência regulatória americana, a Food and Drug Administration (FDA), aprovou uma nova opção terapêutica semanal de administração de Kyprolis® (carfilzomibe) para pacientes com mieloma múltiplo recidivado ou refratário. A aprovação baseia-se nos dados do estudo clínico de Fase 3 ARROW, que demonstrou que Kyprolis® administrado uma vez por semana, na dose de 70 mg/m2, em combinação com dexametasona (Kd70 uma vez por semana), atingiu sobrevida livre de progressão e taxas de resposta global superiores, com um perfil de segurança comparável, versus o uso de Kyprolis® duas vezes por semana, em uma dose de 27 mg/m2, em associação com dexametasona (Kd27 duas vezes por semana).

"Embora tenha sido feito muito progresso na última década, o mieloma múltiplo permanece uma doença incurável, caracterizada por um padrão recorrente de remissão e recidiva, e é importante que os pacientes tenham opções de tratamento que atendam suas necessidades individuais," disse o Dr. David S. Siegel, Ph.D., chefe da Divisão de Mieloma Múltiplo do John Theuer Cancer Center no Hackensack University Medical Center. "A disponibilidade de um regime mais conveniente uma vez por semana, com eficácia superior, segurança comparável e duração mais longa de terapia versus o regime de duas vezes por semana analisado no estudo clínico pode permitir aos pacientes que passem mais tempo fora do centro de infusão."

 

O ARROW incluiu 478 pacientes com mieloma múltiplo recidivado e refratário que receberam pelo menos duas a três linhas de terapia anteriores incluindo um inibidor de proteassoma e um agente imunomodulador. Os pacientes no estudo clínico tratados com Kd70 uma vez por semana atingiram uma melhora estatisticamente significativa de 3,7 meses na sobrevida livre de progressão em comparação com o regime duas vezes por semana de Kd27 (11,2 meses para Kd70 versus 7,6 meses para Kd27). A resposta global em pacientes tratados com Kd70 uma vez por semana foi 62,9% versus 40,8% para aqueles tratados com Kd27 duas vezes por semana. Além disso, 7,1% apresentaram respostas completas ou melhores no grupo de uma vez por semana versus 1,7% no grupo dos pacientes que usaram a medicação duas vezes por semana.

Os perfis de segurança global dos dois grupos no ARROW foram comparáveis, sem novos riscos de segurança identificados no grupo de uma vez por semana. As taxas de descontinuação devido a eventos adversos foram similares nos dois grupos. Os eventos adversos decorrentes do tratamento mais frequentemente relatados (maiores ou iguais a 20%) em qualquer grupo de tratamento foram anemia, diarreia, fadiga, hipertensão, insônia e pirexia.

Os dados intermediários do estudo foram apresentados durante uma sessão oral no 54º Encontro Anual da American Society of Clinical Oncology e simultaneamente publicados no The Lancet Oncology.

A nova opção de tratamento recebeu designação de revisão prioritária pelo FDA, que tem como objetivo explorar um processo de revisão mais eficiente para garantir que tratamentos seguros e eficazes estejam disponíveis para os pacientes o mais cedo possível.


 

Sobre o ARROW

O ARROW é um estudo clínico randomizado, aberto, de Fase 3 que avaliou 478 indivíduos com mieloma múltiplo recidivado e refratário em associação com dexametasona, comparando a administração de carfilzomibe uma vez por semana versus duas vezes por semana. O estudo considerou pacientes que receberam pelo menos duas, mas não mais que três, terapias anteriores, incluindo bortezomibe e uma droga imunomoduladora. Aqueles incluídos no estudo foram randomizados para receber uma infusão de 30 minutos de Kyprolis® uma vez por semana (20 mg/m2 no dia 1 do ciclo 1; 70 mg/m2 nos dias 8 e 15 do ciclo 1; e 70 mg/m2 nos dias 1, 8 e 15 dos ciclos subsequentes) com dexametasona (40 mg) versus uma infusão de 10 minutos de Kyprolis® duas vezes por semana (20 mg/m2 nos dias 1 e 2 do ciclo 1; 27 mg/m2 nos dias 8, 9, 15 e 16 do ciclo 1; e 27 mg/m2 nos dias 1, 2, 8, 9, 15 e 16 dos ciclos subsequentes) com dexametasona (40 mg). O objetivo primário do estudo clínico foi a sobrevida livre de progressão, definida como o tempo desde a randomização até a progressão da doença ou morte. Os objetivos secundários incluíram sobrevida global, segurança e tolerância.

Sobre Mieloma Múltiplo

Mieloma múltiplo é uma doença rara e de risco à vida. Em todo o mundo, aproximadamente 114.000 pessoas são diagnosticadas com mieloma múltiplo a cada ano e 80.000 mortes de pacientes são relatadas anualmente.2

Sobre o KYPROLIS® (carfilzomibe)

Proteassomas desempenham um papel importante na função e crescimento celular ao quebrar proteínas que estão danificadas ou que não são mais necessárias.4 Kyprolis® mostrou bloquear proteassomas, levando ao acúmulo excessivo de proteínas dentro das células.3 Em algumas células, Kyprolis® pode causar morte celular, especialmente em células do mieloma, porque elas são mais propensas a conter uma quantidade superior de proteínas anormais.4,5

No Brasil, o medicamento está aprovado em combinação com dexametasona para o tratamento de pacientes com mieloma múltiplo que receberam de um a três tratamentos prévios, ou como um agente isolado, indicado para o tratamento de pacientes com mieloma múltiplo recidivado ou refratário que tenham recebido pelo menos duas terapias prévias que incluíram bortezomibe e um agente imunomodulador.

 

 

Referências

1. Jakubowiak A. Management Strategies for Relapsed/Refractory Multiple Myeloma: Current Clinical Perspectives. Seminars in Hematology. 2012; 49(3)(1),S16-S32.

2. GLOBOCAN 2012. Global Prevalence and Incidence. Disponível em: http://globocan.iarc.fr/old/summary_table_pop_prev.asp?selection=224900&title=World&sex=0&window=1&sort=0&submit=%C2%A0Execute%C2%A0. Acessado em 27 de agosto de 2018.

3. American Cancer Society. About Multiple Myeloma. Disponível em https://www.cancer.org/content/dam/CRC/PDF/Public/8738.00.pdf. Acessado em 27 de agosto de 2018.

4. Moreau P, Richardson PG, Cavo M, et al. Proteasome Inhibitors in Multiple Myeloma: 10 Years Later. Blood. 2012; 120(5):947-959.

5. Kortuem KM and Stewart AK. Carfilzomib. Blood. 2012; 121(6):893-897.

 

Website: http://www.amgen.com.br