Histórias de Pacientes Ana Paula
imf@myeloma.org.br

Descobri o mieloma de uma forma pouco usual, por meio de uma nutricionista. Estávamos fazendo o caminho da fé, peregrinação que sai de Tambaú a Aparecida do Norte, SP em trechos e no último trecho, senti fortes dores nos joelhos e muito cansaço físico. Fui a um ortopedista que apenas receitou fisioterapia. Fiz e não melhorei. Pensei que tivesse fora de forma, pois não fazia academia e sofria com alimentação pelos regimes malucos que fazia, em busca do emagrecimento.

Em março de 2014 procurei uma academia séria e uma boa nutricionista que me pediu pela primeira vez vários exames de sangue. Ela já constatou que havia algo de errado (anemia) e me encaminhou pra uma hematologista. Fiz todos os exames e ela não conseguiu chegar a um diagnóstico, dizendo que tinha uma infiltração na medula e tinha que procurar um oncologista. Saí de lá desesperada, sem chão...mas no mesmo dia, pela providência divina, uma amiga já havia marcado uma médica que cuidou dela em Campinas, fui à consulta, ela me examinou, fez uma tomografia e viu que não tinha nada. Repetiu todos os exames, em outro laboratório e enquanto esperava, já bastante debilitada e com muitas dores, fiz transfusão a cada 15 dias por meses e tomava todos os remédios pra dor e anti inflamatórios que me receitava.

Nesses momentos de extrema angústia que você não sabe o que tem, apenas precisa aprender a esperar e se conscientizar de que não somos nada. Que precisamos entregar a nossa vida, o nosso futuro nas mãos de Deus e aprender a confiar na força que vem do Alto.

Dia 04 de setembro de 2014 a Dra. Gislaine Borba, excelente hemato, ligou dizendo o diagnóstico de mieloma múltiplo. Confesso que não fiquei chocada, nem triste, mas fiquei agradecida por ter descoberto o que tinha e poder tratar de uma vez. Lia muita coisa pela internet, e muitas coisas ruins, mas o site da IMF me ajudou e muito nas informações. Alguns vídeos de transplante também colaboraram pra me acalmar e outros me desesperaram. Iniciei as quimios em outubro/14, juntamente com infusões de imunoglobulina. Em maio de 2015 estava pronta pro TMO autólogo. Em 16 de julho fiz o transplante no Hospital Beneficência Portuguesa, de Campinas e no dia 26 de julho de 2015 deu-se a pega da medula. Fiz mais 2 ciclos de consolidação e hoje após 1 ano de TMO, estou em remissão completa. Nem um traço da doença. Apenas acompanhamento. Sem sequelas graves. A ajuda dos amigos e da família foi fundamental pra minha recuperação. Muitos rezaram e pediram por mim. O pior de tudo isso foi o afastamento e o isolamento. Comecei a relatar toda minha rotina no facebook e criei um site que chama www.porhojesim.com.br .

O melhor de tudo isso, foi que aprendi muito com toda a doença...a dar valor nas pequenas coisas e nos pequenos momentos do dia a dia. Aprendi que não somos eternos, que o dinheiro não compra tudo. Aprendi o valor de um abraço, de um beijo. Aprendi a viver, a cada dia e ser eternamente agradecida por minha vida nova. Em março de 2016 voltei a pedalar, e a fazer minhas atividades físicas. Hoje estou melhor que antes. Super disposta e feliz. Tenho algumas dores, mas levo minha vida sem estresse. Quero terminar o caminho da fé um dia, pelo menos estou me preparando pra isso. Percebi o valor das coisas pequenas, de uma bela comida saudável, de uma paisagem. Voltei a trabalhar em maio e hoje participo de coral, visita de asilos e hospitais. Toco violão e canto em missas. Acho que eu tenho que retribuir de alguma forma...Gosto de sair com meus amigos e curtir minha família. Sei que tenho o hoje pra viver. Se um dia voltar a doença, vou enfrentar novamente e com fé e alegria vou vencer. Só Deus sabe o futuro e cabe a nós aproveitar o presente. Gratidão sempre e por hoje eu digo sim a vida e a tudo que há de bom nela.

Ana Paula

Participe. Conte você também a sua história. Clique aqui!