Histórias de Pacientes Maria Angelica Machado
imf@myeloma.org.br

Eu sou a enfermeira Maria Angelica, em setembro de 2012 durante um plantão tive uma síncope, percebi que algo estava errado porque nunca tinha desmaiado em toda minha vida. Procurei minha ginecologista e fizemos exames laboratoriais onde apareceu anemia. Tomei suplementação e pronto. Em abril de 2013 descobri que estava grávida e ao fazer os exames descobri novamente anemia, infelizmente à gestação não foi adiante, procurei uma hematologista, fizemos vários exames e ela não descobriu o motivo dessa anemia persistente, chegou a dizer que era emocional. Minha vida sempre foi ativa, trabalhava em dois hospitais, cuidava do meu filho pequeno, fazia atividade física, não sentia nada significante.

Hoje quando penso nessa época lembro que eu tinha falta de ar ao falar, mas pra mim isso acontecia pois eu falava demais… rsrss. Já havia se passado dois anos desde o primeiro diagnóstico de anemia e os valores da hemoglobina e hematócrito continuavam baixos, foi então que uma colega médica me indicou o hematologista Marcos Daniel de Deus Santos, médico jovem, experiente e humano, em pouco mais de três meses com um exame aqui outro ali me deu o diagnostico de Mieloma Múltiplo no dia 20/04/2015.

Sai do consultório com o manual do portador e sem chão, meu primeiro pensamento foi: não tenho plano funerário, nem seguro de vida! Esse pensamento negativo durou pouco tempo, comecei a ler tudo sobre o MM, criei uma fanpage e vi que era possível viver bem.

No dia 13/05/2015 fazia minha primeira quimioterapia aqui na capital do Espirito Santo - Vitória, e no mês de outubro/2015 estava pronta para o TMO autólogo, me internei no Hospital São Camilo – Pompéia- SP em novembro/2015 coletaram as células tronco. Em dezembro/2015 recebi as células e dia 23/12/2015 aconteceu a pega da medula.

No dia 24/12/2015 um susto nos atingiu por conta de uma sepse que foi rapidamente controlada e dia 06/01/2016 recebia alta! Depois fiz dois ciclos de quimioterapia para consolidação, faço uso de talidomida para alcançar 100% de êxito no TMO.

Nesse período todo nunca deixei de fazer atividade física e de ter vida social, de viajar com meu filho, de namorar... sempre dei muito valor ao amor, aos bons relacionamentos e o diagnóstico só fez aumentar esses valores.

Atualmente pratico trail run, musculação, encontrei uma nova forma de me alimentar e a partir dai criei temperos funcionais que ocupam meu tempo, meu coração, me enche de prazer e ainda auxiliam na renda que cai muito quando está sob o auxilio doença do INSS. Tenho uma vida super normal, as alterações que meu corpo sofreu eu me adequei e valorizo o que é bom”.

#vivaavida

 

Maria Angelica Machado

 

Participe. Conte você também a sua história. Clique aqui!