Histórias de Pacientes Manoel
comunicacao@myeloma.org.br

"Meu nome é Manoel, tenho 58 anos e fui diagnosticado com mieloma múltiplo em 2010. Em 2007, fui surpreendido com uma doença que interrompeu minha atividade profissional. Por quatro anos sofri sem saber que tipo de doença eu tinha. Esse período foi de muito sofrimento, fiquei sem poder andar, por muito tempo, sentindo dores dia e noite, até que em 2010, no Hospital Santa Casa de Sobral, foi diagnosticado o mieloma múltiplo. Ao chegar no hospital com a misteriosa doença, a princípio, os médicos disseram que eu tinha hérnia de disco e marcaram uma cirurgia, mas no dia dos procedimentos cirúrgicos, um médico desvendou o mistério e diagnosticou o mieloma múltiplo. Confesso que com 42 anos, no auge do sucesso profissional, receber a notícia que tinha um câncer foi um tapa na cara, mas por outro lado fiquei feliz, pois poderia tratar a doença da maneira correta. Coloquei em primeiro lugar, toda minha confiança Nele, pois sabia que Ele iria dar toda sabedoria aos médicos para cuidarem da minha doença. Inicialmente, foi realizado um tratamento de quimioterapia, no Hospital Santa Casa de Sobral, com Talidomida e Dexametasona, acompanhado pela hematologista Dra. Julieta. E na sequência, fui transferido para o Hospital Universitário Dr. Walter Cantídio (Hospital das Clínicas de Fortaleza), onde fui acompanhado pelo renomado hematologista Dr. Fernando Barroso, para o pré-transplante, e com a hematologista Dra. Jaqueline, que acompanhou o desenrolar do mieloma múltiplo. Em setembro de 2011, fui submetido a um transplante autólogo de medula óssea (transplante em que o paciente é o próprio doador).  O transplante foi um sucesso, fiquei cinco anos completamente curado da maldita doença, até que no final de 2016, fui surpreendido novamente com o Mieloma Múltiplo, desta vez, mais agressivo. Começou tudo de novo, os mesmos sofrimentos, mas a minha fé em Deus continuou inabalável. Todo o ano de 2017, foi de muito sofrimento – quimioterapia duas vezes por semana, com as drogas: Ciclofosfamida, Veucade, Dexametasona e Zometa. Ressalte-se que a Velcade, por ser de um custo não acessível a minha condição financeira, tive que recorrer à Justiça Federal para conseguir o medicamento. Graças ao meu bom Deus, após três meses consegui, e, durante todo tratamento, nunca faltou a droga. Em dezembro de 2018 fui submetido ao segundo transplante autólogo de medula óssea. Ambos os transplante foram realizados no Hospital das Clínicas de Fortaleza. No momento, a saúde está estável. Em 2018, fui candidato a deputado estadual pelo Estado do Ceará. Hoje trabalho como motorista de aplicativo e apresentador de web rádio, na Rádio Hazoar. Ainda continuo sendo acompanhado no laboratório de hematologia do Hemocentro de Fortaleza, pelos meus amigos hematologistas: Dra. Jaqueline e Dr. Erivaldo. Quero aproveitar a oportunidade para agradecer a todos os profissionais do Hemocentro de Fortaleza e do Hospital das Clínicas, incluindo os médicos, enfermeiros, técnicos em enfermagem, seguranças e serviços gerais. Que Deus os abençoe”.

 

 

Participe. Conte você também a sua história. Clique aqui!