Histórias de Pacientes Margaret
contato@myeloma.org.br

Meu nome é Margaret Modesto Macedo, sou portadora de Mieloma Múltiplo, resido em Ribeirão Pires-SP e realizei meu tratamento no Hospital do Servidor Público região do Ibirapuera e Hospital das Clínicas em São Paulo. Eu na época era Vice-Diretora de Escola, hoje aposentada, estava trabalhando na época quando tudo começou. Mesmo durante o tratamento continuei a trabalhar, ia pra escola pela manhã, saia pra ir ao hospital 1 vez por semana para fazer as quimioterapias e retornava à escola encerrando o período as 18hs da tarde. Solicitei meu afastamento definitivo quando meu transplante foi agendado, logo depois minha aposentadoria foi publicada. "Um dia de trabalho como qualquer outro, e eu estava muito resfriada, dei um espirro e senti uma pontada aguda na costela do lado esquerdo! Doeu tanto que perdi até o folego, esse foi o primeiro sinal que meu corpo me deu!!! Assim começa minha história, minha trajetória com o MM. A partir de então foram surgindo outros vários problemas, sintomas por meados ( final de 2011 a fevereiro de 2013), como: sudorese noturna, infecção urinária, infecção nos dois ouvidos,emagrecimento,cansaço,intestino preso e já apresentava anteriormente um quadro de anemia profundo e as medicações não faziam efeitos para diminuí-la. Durante esse período tive uma doença chamada de "Herpes Zortes ", já devido a baixa imunidade, atingindo minha cabeça do lado esquerdo, parecia que tinha bichinhos andando na cabeça só do lado esquerdo, era uma infecção, já era portadora do Mieloma, mas sequer imaginava isso. No decorrer do processo todo, evolução da doença, no local da pontada aguda (costela esquerda) começou aparecer um abaulamento, formando após meses um caroço (chegou ao tamanho de um limão,ovo pequeno) em cima da costela, "eu adorava usar camisetas agarradinhas e não podia mais usar desde então". Esse caroço com o decorrer do tempo começou a doer, não podia encostar em nada, ou alguém encostar que sentia como se fosse um choque! (era horrível).Já era um Plasmocitoma, mas eu ainda não sabia. Um dia ao chegar do supermercados carregando as sacolas tive uma dor enorme nas costas, na região lombar, parecia que minha coluna havia quebrado ao meio, gritei muito uma vez que nunca havia sentido um dor tão forte.Também já estava com dificuldades para realizar as necessidades fisiológicas, pois sentia muitas dores ao sentar no vaso sanitário e se ficasse resfriada tinha medo de espirrar, pois qualquer movimento brusco parecia que eu ia partir ao meio de tanta dor que sentia! Comecei a ter febre constante, fui a quatro médicos ortopedistas, levantaram a hipótese de que o caroço nas costas- costela poderia ser um"cisto ósseo" e era medicada apenas com anti-infamatórios, sequer me pediram exames ou raio -x do local. Minha salvação foi quinto médico ortopedista, que passei a chamá-lo de meu "anjo da guarda"- me tocou as costas e examinou mais a fundo o problema, solicitou raio-x e após o resultado ficou muito pensativo me encaminhando para o oncologista. Desde o início, até o diagnóstico passaram-se 1 ano e meio! Realizei a biopsia do caroço nas costas ( março de 2013) e quando fui saber do resultado-diagnóstico, primeiramente pela equipe da oncologia do Hospital do Servidor Público Estadual , fui noticiada pela equipe que se tratava de um câncer maligno do sangue, tendo sido encaminhada ao setor de Hematologia, quase morri de chorar neste dia, não sabia quanto tempo ainda me restava de vida! Na primeira consulta com o setor de Hematologia já realizei o Mielograma do externo- onde foi constato após 20 dias do exame, este nome que no início me soou muito estranho: Você é portadora de Mieloma Múltiplo! Outro susto enorme, comecei a pesquisar tudo o que pude sobre a doença que nunca tinha ouvido falar! A partir do diagnóstico iniciei as quimioterapias , somando 08 ciclos com os componentes: velcade, dexametasona, ciclofosfamida, zofran e zometa, Posteriormente fui encaminhada para o Transplante no Hospital das Clínicas, foram mais dois meses de tratamento até o transplante (TMO) ser realizado. Fizeram uma biópsia na região do meu quadril que pensei que fosse morrer neste dia, depois tive que colocar o cateter na veia do pescoço, sem sedação que foi muito desconfortável . Durante o tratamento nas Clínicas recebi mais quimioterapias com o nome de Ciclofosfamida em dosagem maior do que a primeira vez,- onde comecei a ficar careca- também tomava injeções de granulokine, ou na barriga ou nos braços, para estimular a medula para coleta das células tronco. Anterior a dois dias dos transplante recebi a malvada quimioterapia " melfalano" que mata definitivamente a medula doente e receber no dia "D" dia do transplante, minha bolsa de sangue que já havia sido coletada, que segundo os médicos continham muitas células jovens! ( Fizemos até piadinha no dia sobre isso , eu e os médicos)! Meu transplante foi realizado no dia 10 de janeiro de 2014, a pega da medula ocorreu em 22/01/2014- tendo alta no dia seguinte. Após o transplante, cuidando da recuperação com todos os cuidados, realizei terapia de suporte por 02 anos com talidomida, interrompida devido a neuropatia que fui acometida nos dois pés! Hoje chego aqui até vocês, completando 5 anos e 4 meses do meu TMO, para compartilhar a minha História, mas hoje o faço com muita alegria, pois estou em 100 por cento em remissão da doença, vivendo cada dia com muita intensidade e super feliz! Peço a Deus primeiramente que me mantenha como estou: em remissão total! Desejo aos amigos e amigas que estão enfrentando, ou descobriram ser portadores de Mieloma Múltiplo que não desanimem, é uma fase difícil,porém faço votos e desejo que todos alcancem a vitória merecida , com muita garra procurando manter auto estima elevada, creio que isso foi o que me fez chegar até aqui, acreditar em dias melhores e lutar com todas as forças!" Deus abençoe! Abraços Fraternos Margaret Modesto Macedo

Participe. Conte você também a sua história. Clique aqui!