Histórias de Pacientes Nivaldo
comunicacao@myeloma.org.br

Meu nome é Nivaldo, tenho 62 anos e em 2014 comecei a sentir dores na coluna, em meus ombros e no quadril. Fui ao ortopedista, onde realizei raio X das regiões citadas, sendo diagnosticado artrose e seguiram com anti-inflamatórios e mais vinte sessões de fisioterapia. Com o tratamento indicado pelo médico, fiquei alguns meses melhor, porém a crise de dores voltou novamente e procurei outro ortopedista que solicitou novamente raio X do quadril e dos ombros, e o diagnóstico foi exatamente o mesmo. Foram ministrados os mesmos medicamentos e a fisioterapia só que desta vez a melhora foi de quinze dias. Em meio a todos esses acontecimentos, percebi que estava perdendo peso gradativamente e resolvi procurar o dermatologista. O doutor solicitou hemograma e fui detectado vitamina D baixa, ele prescreveu medicamento para compensar o baixo nível vitamina D. No retorno após dois meses a vitamina D estava mais baixa, por conta disso a doutora me encaminhou para o clínico. Não havia clínico no IAMSPE eu marquei com o otorrino, nesse meio tempo minha língua começou a ficar áspera e volumosa com uma verruga na ponta. Após a dez dias a confirmação da biópsia foi constatado amiloidose e mieloma. A doutora me encaminhou para o hematologista imediatamente. Durante a consulta com o hematologista, foi solicitado pelo doutor hemograma completo, eletroforese de orina 24 horas, kappa Lambda, RX do tórax, colonoscopia, ultrassom do coração. O diagnóstico foi confirmado amiloidose e mieloma múltiplo. Não foi possível fazer o transplante de medula óssea porque a amiloidose atingiu uma parte do coração. Fui encaminhado para fazer quimioterapia chegando a fazer 05 sessões só que não corresponderam. Então comecei nova etapa por via oral com os seguintes medicamentos Melfalana 2 mg Prednisona e graças a Deus o meu corpo respondeu ao tratamento. Atualmente estou em remissão e faço acompanhamento tomando os medicamentos: Talidomida, ASS, Carvedilol, Losartana Moduretic, Gabapentina. Estou com uma pequena dormência nas mãos e nos pés por conta do Talidomida, mas eu tiro de letra. Tenho muita gratidão pela minha querida família que está sempre ao meu lado. Espero que essa trajetória continue sendo maravilhosa. Sou grato a Deus e espero que esse depoimento possa ajudar outras pessoas que passam por situações similares dando-lhes muita energia espiritual. Um grande abraço.

Participe. Conte você também a sua história. Clique aqui!