Notícias e Destaques NOVA COMBINAÇÃO DE DROGAS - BORTEZOMIBE COM DOXORRUBICINA LIPOSSOMAL PEGUILADA (DLP) – APROVADA PARA MIELOMA.

O FDA americano aprovou recentemente uma nova opção de tratamento para Mieloma recidivado ou que não tenha respondido a pelo menos um outro tipo de tratamento -  bortezomibe com doxorrubicina lipossomal peguilada (DLP).

 

Esta nova combinação é muito importante para os pacientes especialmente aqueles com mieloma resistente, devido à sinergia entre bortezomibe/doxorrubicina lipossomal peguilada (DLP)”, declarou Dr. Brian G.M. Durie – chairman e  co-fundador da IMF.

 

As drogas trabalham em combinação, pois há evidências de que o bortezomibe aumenta a eficiência da doxorrubicina lipossomal peguilada (DLP) contra as células de câncer e a doxorrubicina lipossomal peguilada (DLP) faz o mesmo para o bortezomibe.

 

O crescente sucesso em tratar o mieloma e prolongar a vida dos pacientes se deve em grande parte às novas drogas que podem ser usadas em combinação e em seqüência e a aprovação da nova combinação bortezomibe/doxorrubicina lipossomal peguilada (DLP) se adequa perfeitamente a essa estratégia”,ressalta Dr. Brian Durie.

 

Os resultados do Estudo Fase III e do Estudo de Acompanhamento (follow-up) foram apresentados na Reunião Anual da American Society of Clinical Oncology (ASCO) realizada em Chicago (USA) entre os dias 2 a 6 de junho p.p..O Estudo de Acompanhamento demonstrou que não houve aumento em efeitos colaterais sérios, como neuropatia, com a adição da doxorrubicina lipossomal peguilada (DLP) ao bortezomibe.

 

O paciente com mieloma tem cada vez mais opções de tratamento. É muito bom saber que se um tratamento não deu certo existem várias outras possibilidades. Queremos que os pacientes na America Latina tenham acesso a todos os tratamentos disponíveis” declarou Christine Battistini, presidente da IMF Latin America durante o ASCO 2007.

 

A doxorrubicina lipossomal peguilada (DLP) é uma versão formulada “lipossomal” do agente quimioterápico doxorrubicina, aprovada para uso em outras formas de câncer. Bortezomibe esta aprovado no Brasil para pacientes de mieloma já submetidos à pelo menos dois tratamentos prévios.

 

Fonte: www.myeloma.org

13/06/2007