Notícias e Destaques BANK ON A CURE™ encontra correlação genética com doença óssea e indicações para tratamento

North Hollywood, CA, e Atlanta, GA, 11 de dezembro de 2007 – A International Myeloma Foundation (IMF)  informou hoje que  descobertas de seu Banco  de DNA identificaram correlação genética com doença óssea em mieloma múltiplo, um tipo de câncer na medula óssea, que em alguns casos pode levar a deterioração óssea. Essas descobertas podem também ratificar e explicar associações que foram observadas entre toxinas ambientais, tais como dioxinas e benzeno, e um aumento do risco de se ter mieloma. As pesquisas foram realizadas com fundos disponibilizados pelo Bank On A Cure® (BOAC), o primeiro banco de DNA de pacientes com mieloma. Essas descobertas foram apresentadas durante o 49º Encontro Anual da Sociedade Americana de Hematologia na cidade de Atlanta em 11 de dezembro*.

 

O estudo descobriu que os comportamentos genéticos associados à habilidade de neutralizar toxinas ambientais são falhos em pacientes com mieloma clássico (mieloma com comprometimento ósseo). Esses comportamentos são identificados como segmentos de genes específicos chamados “single nucleotide polymorphisms” ou SNPs, que são conhecidos por sua associação com metabolismo de toxinas e reparo de DNA. Essas conclusões estão de acordo com observações feitas com populações de pacientes e grupos de trabalhadores, incluindo bombeiros, que demonstraram previamente uma correlação entre um aumento do risco de se ter mieloma e a exposição a hidrocarbono e outros produtos químicos semelhantes.

 

“Não esperávamos poder identificar esses comportamentos genéticos”, diz o Dr. Brian G. M. Durie, Chairman da International Myeloma Foundation (IMF) e autor principal da apresentação sobre o BOAC. “Nós estávamos pesquisando sobre biologia óssea e os SNPs associados com o metabolismo das toxinas se encaixaram. Agora, voltando nosso trabalho  aos estudos de comportamentos genéticos, temos um modelo robusto de doença óssea de mieloma que pode explicar as observações epidemiológicas.”  

 

Além disso, o BOAC identificou múltiplos SNPs associados à biologia óssea, foco original dessa pesquisa. As descobertas identificaram SNPs que podem indicar pré-disposição para doença óssea em pacientes com mieloma.

 

“Essas descobertas nos aproximam mais de uma medicina personalizada”, diz Michael Katz, gerente de projeto  BOAC. “Se pudermos utilizar testes genéticos para identificar os pacientes de mieloma com risco de ter comprometimento ósseo, nós poderemos iniciar o tratamento mais cedo com medicamentos que possam ajudar na prevenção ou na diminuição da velocidade de destruição óssea causada pelo mieloma”.

   

A pesquisa também trouxe à tona algumas conclusões preliminares, porém intrigantes, que mostram que um dos comportamentos sinalizantes  associados ao mieloma é também o alvo natural da talidomida, um tratamento amplamente utilizado para mieloma.

 

Os próximos passos serão: identificar mais profundamente o papel  dos SNPs nessas descobertas, estudá-las em profundidade e checar essas descobertas através de estudos com maior número de pacientes.

 

 * Abstract #816: “Genetic Polymorphisms Identify the Likelihood of Bone Disease in Myeloma: Correlations with Myeloma Cell DKK1 Expression and High Risk Gene Signatures”

Fonte:www.myeloma.org

atualizado em 16/12/2007