Notícias e Destaques Não posso ter medo de saber, nem de errar, preciso aprender.

Quantas de vocês sabiam o que era Mieloma antes de ter, ou alguém na família ter mieloma?

 

Pode levantar a mão!

 

Vamos pensar sobre isso, vamos fazer alguma coisa sobre isso.

 

Logo que sabemos que temos Mieloma temos um grande choque, e temos que pensar e aprender a viver com câncer.

 

Transformar-nos, cuidar de si, nos ajudar.

 

Reinventar-se melhor dizendo.


Do choque a auto reflexão já é uma grande mudança, mas temos que notar a doença em si, conhecê-la melhor para poder enfrentá-la.

 

Pensar em si com muito carinho, se amar ainda mais, nesta hora é muito importante.

 

Sem se culpar por estar doente; sem se cobrar qualquer fato que lhe tenha acontecido, tragédias anteriores; e focar na cura; como se fosse um resfriado.

 

Sem se preocupar com a chuva que tomamos inevitavelmente, porque ela também foi prazerosa.

 

Continuar nosso caminho, conhecendo mais sobre Mieloma, sobre transplante, sobre doação de medula, sobre quimioterapia, sobre drogas novas que estão surgindo, sobre outras pessoas, que como eu, estão vivas há 15 anos com mieloma.

 

Procurando saber mais e contando umas para as outras, conseguiremos que mais alguém possa se prevenir, ou evitar ser diagnosticada tardiamente.

 

Se começamos mais lúcidas, estamos num ponto de partida muito melhor, com um horizonte mais amplo, e sabendo de outras saídas alternativas.

 

Não nos vemos obrigatoriamente com um desfecho irremediável.

 

Descobri que hoje para viver preciso cuidar muito bem de mim mesma.

 

Preciso de muita informação.

 

Preciso saber como as outras pessoas fazem, que armas mais posso usar, com que médicos posso contar, em quantas pessoas com informações verdadeiras posso confiar.

 

Não posso ter medo de saber, nem de errar, preciso aprender.

 

Não me esconder da dor, olhar para mim mesma de um modo carinhoso, me dando esta oportunidade de transformação.

 

Porque o câncer para mim é isso, é crise, é mudança e crescimento, talvez até acelerado pela própria doença.

Ele nos poe num outro lugar da vida.

 

Sem pena, só com as coisas que valem.

 

Compreendendo que pode haver pelo menos outras 17 000 pessoas com mieloma no Brasil sei que temos mais chances de nos ajudar.

 

Buscamos o mesmo gol, vamos aumentar as curas, as formas milagrosas de vencer serão descobertas e passadas de uns aos outros.

 

Emprestando palavras, livros, gestos de acolhimento, dando a outros a atenção que recebemos de tantas pessoas, sabemos que a nossa força é maior.

 

Confiando em novas descobertas estamos no melhor tempo, onde a comunicação, a rapidez, e a integração do mundo conspiram a nosso favor.

 

Conversar sobre Mieloma me faz bem, me ajuda a sair do medo, da solidão, que me abafa e me apavora.

 

Temos muitas pessoas com quem podemos contar hoje, podemos trocar receitas de como comer, como fazer funcionar o intestino, cremes óleos essenciais.

 

A alimentação é nossa grande aliada.

 

A auto-estima também, como nos olhar no espelho, que peruca fica melhor, ou sem peruca é melhor, roupas gostosas, sapatos confortáveis.

 

Temos especialistas que nos auxiliarão nestas descobertas.

 

Assim também fazemos mais amigos, aliados tão necessários.

Por isso estou aqui com vocês, pois respirar esta emoção que hoje me invade é vida renovada, vida que vale ser vivida.

 

Com muito carinho, agradeço poder estar aqui, a todos vocês, que estão me ajudando.

 

Beatriz Cury

SP 02/08/2008